Prefeitura declara caducidade e extingue contrato com a empresa de transporte coletivo Cidade das Águas

A Prefeitura de Alagoinhas declarou a caducidade do contrato firmado entre a gestão municipal e a Cidade das Águas,  concessionária que administra as linhas pertencentes ao Lote 2, do serviço de transporte coletivo na cidade.

A caducidade, que significa a extinção do contrato, foi anunciada pelo prefeito Joaquim Neto, na noite desta quinta-feira (06), em reunião na Câmara com a participação de vereadores, Superintendência de Transporte e Trânsito (SMTT), Procuradoria Geral do Município (PROJU), rodoviários, representantes do sindicato da categoria (Sindmetro), das Forças Empresariais de Alagoinhas, e da imprensa.

A decisão, segundo informado pelo prefeito Joaquim Neto, foi tomada considerando o relatório final do processo administrativo nº 001/2020 instaurado pela SMTT, para apurar a conduta praticada pela empresa.

“O serviço de transporte coletivo em Alagoinhas vinha caminhando para um colapso no atendimento, muitos bairros desassistidos, gerando transtornos à população. A gestão municipal batalhou durante cinco meses, com permanente diálogo, oferecendo alternativas, ampla defesa, ou seja, todas as condições pra que a empresa saneasse a situação, especialmente no que se refere ao pagamento aos colaboradores, mas infelizmente, os problemas não foram solucionados, e tivemos de extinguir o contrato”, detalhou o prefeito.

Atrasos no pagamento dos salários e de outras verbas aos funcionários, gerando greves, e a alteração do quadro societário sem a prévia anuência do poder público, violando os preceitos da Lei Geral de Concessões, a lei 8.987/95, e a cláusula 67ª do Contrato de Concessão 004/2020, foram alguns dos problemas apresentados pela empresa Cidade das Águas, desde que venceu a licitação e começou a administrar o Lote 2, em fevereiro de 2020.

Marco histórico para o município, pela primeira vez, desde que o sistema foi implantado, há cerca de 40 anos, os contratos com empresas do transporte coletivo do município foram firmados a partir de prévia licitação pública, feita pela Superintendência de Transporte e Trânsito (SMTT), adequando a cidade à legislação federal.

A SMTT salienta que, independente da decisão, a população que se utiliza do transporte público das linhas em questão não será prejudicada.

A partir da portaria que será publicada em Diário Oficial do Município (DOEM), nesta sexta (07) , a Cidade das Águas perderá o direito de oferecer o serviço, e já no sábado (08), os veículos de propriedade da empresa estarão proibidos de circular. No entanto, de acordo a superintendência, a ATP, a outra empresa que venceu a licitação, e é responsável pelo Lote 1, tem prioridade para administrar as linhas que ficarão descobertas.  Caso a ATP não tenha interesse em assumir o Lote 2, será publicado um edital de Chamamento Público para contratação emergencial de uma nova empresa, que vai operar por seis meses.

Ainda segundo a autarquia, se a contratação da ATP para operar o segundo lote não for concretizada, durante a tramitação do processo da contratação de emergência, como a ATP também concorreu a este lote, deverá fornecer veículos para suprir a necessidade da população, até a chegada da nova empresa.

O planejamento da SMTT é que no prazo de 90 dias seja publicado um novo edital de licitação para o transporte coletivo do município.

 

Fotos: Secretaria Municipal de Comunicação (SECOM)

 

Next Post

Polícia Civil resgata idosa mantida em cárcere privado em Ipirá

Sex Mai 7 , 2021
A senhora de 90 anos era mantida presa pelo sobrinho Policiais da Delegacia Territorial (DT) de Ipirá foram acionados por uma assistente social do município para resgatar uma senhora, de 90 anos, que estava sendo mantida em cárcere privado pelo sobrinho da vítima, em uma casa em um povoado conhecido como Pau Ferro. O sobrinho, de […]